PRAIAS

 

– Praia de Carreço:

Também conhecida por Praia do Porto, é uma Praia abrigada e calma. Com dunas, areia fina, colinas e águas translúcidas, que permitem ver as diversas rochas existentes no mar. Tem boas infra-estruturas entre as quais chuveiros de água quente. É das praias mais procuradas pelas famílias e pela comunidade escolar devido às óptimas condições infraestruturais e de segurança.

– Bandeira Azul:
Sim

– Facilidade de Estacionamento: Tem parque de estacionamento

– Localização e acessos: E.N.13, virar no cruzamento da Praia de Carreço.

– Serviços de apoio disponíveis: Praia vigiada, Bar, Restaurante, Aluguer de toldos, espreguiçadeiras, Instalações sanitárias, Duches, Futebol de praia, Voleibol de praia, Acesso a deficientes, Pesca desportiva

– Tipo de Praia:
Marítima

– Praia do Canto Marinho:

Esta é uma praia com características singulares, onde os bancos de rochas espreitam em cada maré. Talvez pelo seu ar natural, esta é considerada uma das praias mais preservadas em termos de criação de infra-estruturas, apresentando valores ambientais únicos. É Ideal para quem procura tranquilidade e paz interior, pois esta praia tem uma função terapêutica no bem-estar das pessoas. Não é por acaso que a praia do Canto Marinho foi galardoada pelo Ministério do Ambiente como Praia Dourada.

– Bandeira Dourada:
Sim

– Facilidade de Estacionamento: Tem parque de estacionamento na praia do Lumiar

– Localização e acessos: E.N.13, depois da praia do Lumiar

– Tipo de Praia:
Marítima

– Praia de Paçô:

É Também conhecida como Praia do Forte. É uma praia bastante protegida dos ventos e por isso com pouca ondulação e muitas dunas. A água é transparente e de ótima qualidade, o que permite ver as rochas e o fundo do mar. É uma praia com bandeira azul e muito procurada pelas escolas na época balnear.

– Bandeira Azul:
Sim

– Facilidade de Estacionamento: Tem parque de estacionamento

– Localização e acessos: E.N.13

– Serviços de apoio disponíveis: Praia vigiada, Instalações sanitárias, Duches, Pesca desportiva, Bar.

– Tipo de Praia:
Marítima

– Praia de Camarido:

Fica situada entre a praia de Carreço e a praia do Lumiar. Distingue-se das outras pelo grande areal que tem. É um local amplo, que oferece aos visitantes ótimas condições para fazer praia, para passear e para mergulhar na água límpida. Por entre as rochas podemos descobrir alguns animais marinhos como bivalves (mexilhões), polvo, estrelas-do-mar, caranguejos, pequenos camarões, etc.

– Facilidade de Estacionamento: Tem parque de estacionamento.

– Localização e acessos: A Oeste da E.N.13. Entre a praia de Carreço e a praia do Lumiar

– Tipo de Praia:
Marítima

– Praia do Lumiar:

Queremos que em 2009 esta seja mais uma das nossas praias com bandeira azul. É um local acolhedor, com ótimo areal, abrigado, limpo, bem cuidado e onde se respira parte da história de Carreço que liga a sua gente ao mar. Nesta praia podemos ver o Portinho do Lumiar, que remonta ao séc. XIX e que servia para guardar os barcos e os instrumentos de pesca. Actualmente estes barracos do Lumiar tem pouca utilização como abrigo de apetrechos de pesca, mas pretendemos a sua recuperação para fomento de um Núcleo de Informação Ambiental.

– Facilidade de Estacionamento: Tem parque de estacionamento

– Localização e acessos: E.N.13

– Serviços de apoio disponíveis: Pesca desportiva.

– Tipo de Praia:
Marítima

– Praia dos Fornelos:

Fica situada numa pequena enseada, no sopé do Farol de Montedor. Da Praia dos Fornelos podem ver-se o Farol, as gravuras rupestres, visíveis nas rochas avermelhadas e as pias salineiras. Depois de estarmos na praia, podemo-nos aventurar em bonitos passeios a pé, por exemplo, até à praia de Paçô. Para lá chegarmos temos que passar pelos Castros da Gandra, pela Ronca e pela Sinadora ou Pedra do Sol, chegando-se depois à Praia de Paçô, assim como aos Moinhos de Montedor.

– Facilidade de Estacionamento: Tem parque de estacionamento

– Localização e acessos: E.N.13, vira-se na estrada até à Praia de Carreço, seguindo-se depois para Norte

– Tipo de Praia:
Marítima


 

Monte de Carreço

Para além das belíssimas praias, Carreço tem também grande preocupação com o seu pulmão: O Monte de Carreço.

Todos os anos assistimos à destruição da nossa floresta a nível nacional e com ela de milhares de espécies animais. Em Carreço temos a preocupação, ao longo de todo o ano, de proteger e valorizar o nosso monte. Se hoje temos uma área florestal requalificada e verde, onde cerca de 600 garranos (espécie de cavalo) gostam de viver, é porque tem sido feito um grande investimento na sua preservação. Na verdade, a melhoria na qualidade dos acessos, convidou alguns jovens aventureiros a desfrutarem da natureza fazendo desportos radicais e de aventura, como Parapente, Todo-o-terreno, Ciclocrosse, Downhill, entre outros, por entre o ar puro e a paisagem magnífica do Monte de Carreço.

É no topo deste Monte, onde contemplamos a paisagem a perder de vista, que olhamos o futuro, investindo nas energias renováveis. O parque eólico Carreço/Outeiro está em funcionamento desde 2005 e tem uma produção anual de cerca de 54 GWh, obtida a partir da instalação de 9 aerogeradores com uma potência total de 20,7 MW. Cada torre tem 90 metros de altura e pás com um diâmetro de 50 metros. O impacto ambiental é praticamente nulo e os resultados têm sido um sucesso, de tal forma que se prevê o seu alargamento para muito breve.


 

Moinhos de vento e de água


Em Carreço existem dois tipos de moinhos: os de vento e os de água.

Os moinhos de vento assumiram, ao longo dos tempos, uma importância vital na freguesia e são por ventura os mais conhecidos. Estes resultam da evolução de uma comunidade, que em face da riqueza cerealífera local, utilizou a energia eólica, para moer os grãos de forma a transformá-lo em farinha. Os moinhos de vento mais representativos localizam-se no lugar de Montedor, no monte do Facho (morro do Farol de Montedor) sobranceiros à corda litoral e a aproximadamente 8 km de Viana do Castelo. Estes moinhos estão actualmente recuperados: o do Petisco é propriedade particular mas foi restaurado e está em funcionamento, conseguindo inclusive moer milho. O do Marinheiro, foi reconstruído em 2002 e pertenceu à Casa do Marinheiro, tendo sido adquirido mais recentemente pela Câmara Municipal. Tem velas trapezoidais de madeira, o que o torna único na Península Ibérica. Quanto ao moinho de Cima também pertenceu à Casa do Marinheiro e tem gravada a data de 1835 na padieira da porta. Tinha as velas de pano. Hoje está a ser transformado em Núcleo de Informação sobre os Moinhos, pela Câmara Municipal de Viana do Castelo. Os 3 Moinhos de Vento de Montedor em Carreço, estão classificados como Imóveis de Interesse Público, Decretos nº 735/74 de 21 de Dezembro e nº 95/78 de 12 de Setembro; Zona Especial de Protecção, Diário da República, 2ª série, nº 130 de 8 de Junho de 1982.

Mas a distribuição de moinhos pela freguesia de Carreço não fica por aqui.

No lugar de Paçô, existiram os seguintes moinhos de vento:

-Casa do Cigano

-Casa do Mirandeiro

-Casa do Baptista

-Casa d’Alvo

No lugar de Carreço tinha-se conhecimento da:

-Casa da Corticeira

No lugar de Montedor:

-Moinho do Facho (hoje do Petisco)

-Moinho do Marinheiro (de cima)

-Moinho do Marinheiro (de baixo)

No lugar de Troviscoso:

-Moinho do Picar

-Moinho do Garito

Quanto aos moinhos de água, temos de registar o moinho do Pinheiro, em Carreço, pertencente a vários consortes (cerca de 14), cada um com uma “rolda” (um dia ou uma noite); o do Afonso, no meio da veiga de Carreço, também de compartes, ambos ainda em funcionamento; o do Nateiro, junto à Praia de Carreço, já desapareceu, dele restando apenas vestígios. Os moradores de Troviscoso possuíam moinhos no regato do Malhão, na extrema com a freguesia de Areosa, os de Paçô, no rio de Cabanas, em Afife e os de Montedor, nos moinhos da Ponte, também em Afife.


 

Farol

Situado na colina de Montedor o farol foi construído em 1910 com uma altura de 22 metros e uma altitude acima do mar de 102 metros os seus raios de luz cruzam-se com os do farol da ria de Vigo e com o do rio Douro.

Foi construída uma casa para o rádiofarol em 1939 e instalado o radiofarol em 1942 (desativado em 2001 por ter perdido o interesse para a navegação).

O farol foi ligado à rede eléctrica de distribuição pública em 1947, passando a utilizar uma lâmpada de 3000W. O terreno pertencente ao farol até aí sem qualquer vedação, foi vedado com muros.

Em 1952 foi desmontado o sinal sonoro a ar comprimido e montada uma sereia eléctrica. O sinal sonoro retirado, foi montado no farol da Nazaré.

A sereia eléctrica que até então estivera montada numa base em cima de dois postes junto à casa de inspecção, foi transferida para uma estrutura construída junto ao mar em 1960.

A potência da fonte luminosa foi reduzida em Março de 1983, sendo instalada uma lâmpada de quartzline de 1000W.

A 04 de Dezembro de 1987, o farol foi automatizado, tendo sido equipado com um novo sinal sonoro.

A 7 milhas a Sul da foz do Rio Minho o farol de Montedor é assim o primeiro farol da Costa Portuguesa.


Museu Agro Marítimo de Carreço

Situado na sede da Junta de Freguesia encontra-se o Museu Agro Marítimo de Carreço. Acreditamos que conhecer e estudar a nossa história não basta para que saibamos o que somos. Para saber e conhecer desmistificadamente o que somos como realidade local, como comunidade, como “povo”, torna-se necessário estudar a nossa própria cultura, não apenas aquela cultura erudita, mas a cultura que as populações, e no caso a Carrecense criaram ao longo dos séculos, apoiada nas tradições, ou seja, a cultura espiritual, social e material que tem vindo a desenvolver, caracterizar e personalizar. Foi precisamente dessa vontade de dar a conhecer quem somos que criamos este Núcleo Museológico, nele podemos encontrar os instrumentos ligados aos usos e costumes da freguesia desde tempos remotos. São cerca de duzentos e cinquenta os utensílios expostos, ligados à agricultura, à pesca artesanal, ao linho, à vida doméstica tudo do povo de Carreço.


Capela do Sr. do Bonfim

Da autoria de João Pires Lavrador, a capela do Senhor do Bonfim tem uma arquitectura religiosa, barroca. É composta por planta longitudinal com frontispício em empena. Esta capela fica situada no lugar de Troviscoso a sua construção, supõe-se, remonta a 1741. De realçar a sua fachada principal em pedra magnificamente trabalhada, construída em forma de retábulo, onde se destacam as figuras de N. Sra. da Soledade e de S. João Evangelista.


Igreja Paroquial


Pensa-se que a Igreja primitiva seria a Capela de S. Paio, ou que estaria situada no mesmo local. É também possível que, conforme acontecia noutras freguesias medievais, Carreço tivesse dois padroeiros: Santa Maria e S. Paio. Quando, no séc. XVI, se deliberou construir a nova Igreja terá transitado somente Santa Maria para ela, ficando S. Paio como patrono da Capela que antes teria sido Igreja Paroquial.

A igreja actual foi construída no séc. XVI – XVII e o cemitério inaugurado em 26 de Julho de 1885. O Adro da Igreja calcula-se que tenha sido construído na mesma altura que a Igreja. Este era um lugar respeitado, onde se desenrolavam os acontecimentos mais sagrados da comunidade paroquial: os casamentos diante da porta principal da Igreja, os ajuntamentos, as reuniões do Concelho Paroquial, o enterro dos mortos, as festas e romarias. Por isso, se considerava lugar sagrado e não era raro costume as pessoas se descobrirem ou se descalçarem, quando entravam neste local. A Igreja bem como o Adro, gozavam de imunidade, isto é, ninguém podia neles ser preso ou convocado para juízo no Cível, cabendo à competente autoridade eclesiástica convocar, julgar e punir alguns crimes menores.


 

Cruzeiro de Carreço

De arquitectura religiosa, setentista, o Cruzeiro de Carreço tem pedestal paralelepipédico, fuste circular, capitel e cruz latina de secção circular. Destaque para o tratamento que é dado aos pés sobrepostos e mãos colocadas em posição de bênção de Cristo na cruz.


 

Forte de Paçô

O Forte de Paçô ou Fortim de Montedor, encontra-se à beira-mar, junto da praia. Foi construída durante as guerras da restauração, durante o reinado de D. João IV ou de D. Pedro II. Classificado como Imóvel de Interesse Público, o Fortim seiscentista tem planta estrelada, de pequenas dimensões e de alçados muito simples. Este pequeno forte marítimo, cuja função era a vigilância e a defesa da margem esquerda do rio Minho e da respectiva costa atlântica, era muito utilizado em alturas de Guerra. Este Forte, sobre a praia de Paçô, cooperava com os vizinhos Forte do Cão (Vila Praia de Âncora) e com o Forte da Areosa.

Actualmente encontra-se em fase de conservação e restauro, por parte da Região de Turismo do Alto Minho com vista ao seu aproveitamento turístico e cultural.



Salinas

Poderão remontar à Pré-História o conjunto de salinas existente na Praia de Fornelos, embora seja mais plausível que a sua cronologia corresponda já ao período da romanização, quando o sal começa a assumir-se como um produto de grande importância económica. Com efeito, a nova estrutura socio-económica romana, baseada na produção não só de produtos para a auto-suficiência, como acontecia anteriormente, mas também de excedentes para comercialização, obriga ao desenvolvimento de técnicas de conservação dos alimentos, constituindo o sal um elemento essencial, situação que se manteve até meados do século XX.


Gravuras rupestres

Classificadas como Imóvel de Interesse Público, as gravuras rupestres de Montedor encontram-se na superfície lateral de um afloramento granítico, perto da pequena praia de Fornelos. Inserem-se no conjunto de gravuras rupestres do Noroeste Peninsular. Existem dois importantes conjuntos de gravuras rupestres pré-históricas: as gravuras da Praia de Fornelos com motivos zoomórficos (cervídeos e equídeos) e as gravuras da fraga da Bica, com motivos cruciformes, (provavelmente estilizando a figura humana) e as “gravuras da pedra do sol” com um conjunto de fossetes que constituem um motivo estelar.



Património Humano

As gentes de Carreço, são o nosso bem mais precioso. Somos exemplares na arte de bem receber e não conheço gente mais simpática, acolhedora, honesta e simples, como a gente de Carreço. Para além disso, somos possuidores de uma cultura e tradições riquíssimas e que preservamos a todo custo. O meio associativo faz um trabalho difícil mas compensador que vai nesse sentido e que contribui para a cada vez mais coesa união dos Carrecenses. Queremos evoluir, mas de forma sustentada, sem nunca esquecermos as nossas raízes, a nossa identidade.


 

Eventos

– Realização da Festa da Comunidade nos dias 12 e 13 de Setembro.

258835185
jfcarreco@sapo.pt
 
Carreço no Facebook
Últimas Notícias
TAGS POPULARES

facebook

facebook

facebook

Calendário
Jan0 Posts
Fev0 Posts
Mar0 Posts
Abr0 Posts
Mai0 Posts
Jun0 Posts
Jul0 Posts
Set0 Posts
Nov0 Posts
Dez0 Posts
Jan0 Posts
Fev0 Posts
Mar0 Posts
Abr0 Posts
Mai0 Posts
Jul0 Posts
Ago0 Posts
Set0 Posts
Out0 Posts
Nov0 Posts
Dez0 Posts
Jan0 Posts
Fev0 Posts
Mar0 Posts
Abr0 Posts
Mai0 Posts
Jun0 Posts
Jul0 Posts
Ago0 Posts
Set0 Posts
Out0 Posts
Nov0 Posts